Municípios da SDR Maravilha recebem kits de telediagnóstico em dermatologia

Municípios da SDR Maravilha recebem kits de telediagnóstico em dermatologia

A Gerência de Saúde da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Maravilha realizou, nesta quarta-feira, 21, a entrega de seis kits para diagnóstico em dermatologia para os municípios de Romelândia, Iraceminha, Bom Jesus do Oeste, Saudades, Santa Terezinha do Progressos e Saltinho. Com a entrega de hoje todos os municípios da Regional possuem o kit que é composto por máquina fotográfica, dermatoscópio e adaptador.

O projeto é uma parceria entre o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Para realizar a triagem de casos antes de encaminhar as situações para os especialistas o Estado disponibiliza o Sistema de Telemedicina e Telessaúde (STT), ferramenta web pelo qual a rede de telediagnóstico se viabiliza. “Com o equipamento, o médico na própria Unidade de Saúde poderá fazer uma triagem a partir das informações do paciente. Com o dermatoscópio será realizado um exame que terá parecer dos técnicos da teledermatologia de Florianópolis. Estes por sua vez, devolvem o laudo para a Unidade de Saúde com a classificação de risco da lesão ou patologia”, explica o Gerente de Saúde da SDR Darci Thome.

O secretário regional Valci Dal Maso acompanhou a entrega e destacou que esta ação do Estado irá diminuir a fila de atendimentos em dermatologia, já que o aparelho permite que o médico da unidade de saúde onde o paciente é atendido acesse o laudo do exame pela internet. “Esse equipamento trará enormes benefícios à população, especialmente na rapidez do diagnóstico das patologias dermatológicas. O foco principal é o diagnóstico para identificar a real necessidade do paciente por atendimento especializado.”

Durante o evento de entrega dos equipamentos, enfermeiros, técnicos e médicos participaram de um treinamento sobre o uso correto do material, que foi realizado pelo gerente de projetos do Instituto Nacional para Convergência Digital (INCoD) da UFSC. Paulo Iasbech explica que o treinamento é fundamental para a eficácia do procedimento. “O equipamento é essencial, mas é preciso que os médicos, enfermeiros e técnicos estejam preparados e saibam utilizar o equipamento de forma correta”, enfatiza.

Fonte: Nova FM – 103